Escolas flutuantes levam educação e cidadania a famílias em Bangladesh

Quando a chuva cai em Bangladesh durante a estação das monções, as inundações levam ao fechamento de centenas de escolas. Por causa desta realidade, a organização sem fins lucrativos Shidhulai Swanirvar Sangstha foi fundada em 2002 para construir escolas-barco movidas a energia solar e que, por serem flutuantes, conseguem  fornecer educação de forma ininterrupta ao longo de todo o ano.

As estruturas flutuantes simples são feitas de materiais naturais de origem local e cada barco está equipado com painéis solares, uma pequena biblioteca com recursos eletrônicos e um computador portátil com ligação à Internet.

No momento em que normalmente as águas de enchentes inundariam as escolas – às vezes por até quatro meses por ano – os pequenos barcos movidos a energia solar são ativados como um substituto. Os barcos, cada um com a capacidade de abrigar cerca de 30 alunos, traz as crianças desde o continente pantanoso para que flutuem durante o dia em sua nova escola. O interior é muito bem-equipado para proporcionar as necessárias competências e aprendizagem até a quarta série.

A organização Shidhulai Swanirvar Sangstha realiza em um programa de incentivo inteligente para as famílias mais pobres, com o intuito de assegurar-lhes o enviam de seus filhos para assistirem às aulas. Pequenas lanternas movidas a energia solar lanternas estão disponíveis para aqueles alunos que frequentam as escolas flutuantes regularmente. Assim, as crianças podem  aprender após o escurecer e seus pais podem usar as lanternas para desenvolver artesanato no período noturno, contribuindo para a renda familiar. Os barcos movidos a energia solar também funcionam como espaço de oficina para os pais. Aulas de agricultura, saúde, finanças e higiene estão disponíveis após o horário escolar.

 

Rafael Loschiavo

Redação Ecoeficientes

Deixe seu comentário: